Enter your keyword

#7 filmes para inspirar (e até sentir) empatia. Todos no Netflix!


#7 filmes para inspirar (e até sentir) empatia. Todos no Netflix!

Fim de semana chegando e a gente traz dicas para quem quer ficar em casa curtindo um filme no sofá. A gente separou uma lista de 7 documentários e filmes que te ajudam a refletir sobre o poder da empatia ou até mesmo sentir empatia pelos personagens.

Detalhe: todos estão no Netflix.

Pausa pra entender mais:

Como assim sentir “empatia”? O que é empatia? Muitas vezes, a resposta que vêm à mente é alguma coisa como “se colocar no lugar do outro”. A definição é boa, mas talvez ainda fique vago: como, afinal, me coloco no lugar do outro? O que preciso fazer para isso?

A gente gosta da ideia de que empatia é um caminho para se conectar a outro ser humano, compreendendo-o, em vez de ficar no julgamento, na avaliação se o outro está certo ou errado. Um movimento para compreender o outro mesmo que você não concorde (em nada!) com o que ele fez ou faz. Nosso olhar sobre o tema está baseado na psicologia humanista, principalmente na Comunicação Não Violenta (CNV), que o Sven e eu multiplicamos por aí.

Para a CNV, essa compreensão empática vem quando você consegue se conectar com as necessidades humanas que a outra pessoa está procurando atender (às vezes, desesperadamente). Você pode não concordar com uma mãe brigar com um filho para que ele coma, mas pode entender o quanto ela está aflita para cuidar da saúde dele. Pode não gostar nada do fato de que um colega novo na sua empresa te chamou cinco vezes durante o dia pedindo ajuda para terminar um relatório. Mas pode entender que ele esteja nervoso porque precisa muito de apoio, por exemplo.

Você, eu, o outro, todos nós, temos necessidades como essas: apoio, cuidado, saúde – e muitas outras. E isso é nosso ponto de encontro, nosso território comum, nosso lugar de compreensão. Por isso, se conectar com as necessidades é um caminho que a CNV oferece para a gente praticar empatia.

Nossa sugestão é curtir esses filmes e aproveitá-los para desenvolver mais seu olhar empático. Alguns filmes da lista, como Humano, Nise ou The Mask You Live In, vão te convidar a olhar por novos ângulos para a vida de várias pessoas, entendendo a jornada de suas vidas, seus contextos e, assim, compreender um pouco do que é estar nesse lugar. Julgando menos, compreendendo mais. Outros filmes, como Innsaei ou The Altruism Revolution, mostram o que se tem estudado e experimentado por aí a respeito da nossa capacidade de sentir e praticar empatia no dia a dia. Já Living On One Dollar pode ser uma experiência diferente… comento a minha mais abaixo, na listinha.

#7 filmes para inspirar empatia

#1
Humano

É puro treino de empatia, um convite a experimentar como seria estar no lugar de outras pessoas, sentir o que sentiram, viver o que viveram. Se estiver sem tempo, experimente assistir no mínimo a primeira história, de Leonard: talvez você perceba como é possível compreender outro ser humano profundamente mesmo sem concordar com as ações dele. Este documentário ouviu centenas de pessoas, de toda parte do mundo, a respeito de suas vidas e suas percepções sobre a experiência humana. Talvez você conclua que todos temos muito mais em comum do que se imagina.

#2 
Innsaei – O Poder da Intuição

Para se conectar com os outros, preciso me abrir para a conexão comigo, conhecer o meu “mar interior”. Este é um dos convites neste documentário, com toques autobiográficos, criado por Hrund Gunnsteinsdottir. Com muito esforço, Hrund conquistou um cargo vitalício na ONU. Parecia o trabalho dos sonhos, mas Hrund não estava em paz: se sentia desconectada da própria vida. Hrund resolveu largar o emprego e fazer da crise uma investigação que resultou no documentário Innsaei. A palavra, em islandês, tem vários significados, como “ver de dentro para fora” ou mesmo “intuição”. Para falar da conexão consigo e com os outros, o documentário mostra entrevistas com pesquisadores e iniciativas como uma escola infantil em Londres que tem um programa de mindfulness, e um dos trabalhos da artista Marina Abramovic. A gente achou delicado e profundo.

#3
The Mask You Live In

O que é ser homem? O que a cultura ocidental ensina aos jovens sobre como viver a masculinidade? Este documentário mostra como os homens são levados a acreditar, desde a infância, que precisam ser fortes, atléticos, financeiramente bem-sucedidos, agressivos e não demonstrar sentimentos ou vulnerabilidades. O filme estimula a reflexão a respeito do impacto dessa construção dos gêneros, observando o imenso sofrimento que isso causa em todos, homens e mulheres também. Assistir este filme pode ser um exercício interessante: incluir o masculino no nosso olhar empático.

#4
The Altruism Revolution

O ser humano é altruísta? A natureza humana passa por se importar com os outros, em cooperar entre si? O filme, que afirma que a empatia é um requisito para o altruísmo, mergulha nesses conceitos com apoio de diferentes pesquisadores. Eles afirmam que o ser humano tem uma capacidade biológica para sentir o sofrimento dos outros – mostrando que as respostas no cérebro de alguém que sofre são equivalentes às respostas no cérebro de quem sente empatia pelo sofredor. Ao mesmo tempo, os especialistas enfatizam é preciso desenvolver habilidades, como a empatia, treinando e moldando o cérebro. E que isso pode grande impacto nas nossas relações e no mundo.

#5
Given

Aamion and Daize Goodwin são um casal de surfistas famosos no mundo todo. Detalhe: história real, eles existem mesmo. Um dia, decidem sair da ilha onde moram rumo a 15 outros países em busca de ondas e por um chamado que Aamion ouviu do próprio pai. Narrado em primeira pessoa, o filme mostra a perspectiva de Given, filho mais velho do casal, sobre esta jornada. Vale para ver a vida pelas lentes de uma criança. E vale pelas imagens impressionantes.

#6
Living on One Dollar

Quatro amigos, norte-americanos, resolvem passar pela experiência de viver na Guatemala por 56 dias sobrevivendo com apenas um dólar por dia, como muitos habitantes por lá fazem. Eles tentam reproduzir a pobreza – e confesso que achei um pouco incômodo ver jovens simulando a pobreza e fazendo disso um filme. Até me irritei. Aí foi interessante porque fui podendo praticar meu olhar empático por eles. Depois conta como foi para você. 

#7
Nise, o Coração da Loucura

Nise da Silveira foi uma médica psiquiatra brasileira que, na década de 1950, sacudiu a psiquiatria por olhar para os pacientes com esquizofrenia com um olhar mais humano – e nada convencional. Foi preciso ir contra a corrente para colocar em prática um novo jeito de tratar esses pacientes. Para mim, o filme inspira a desenvolver um olhar além do óbvio para pessoas que, rapidamente, estamos habituados a rotular, julgar.

E siga a gente nas redes, que em breve tem mais:

#dialogoscorajosos #conexaotransforma #cnvnaveia